Obesidade mental


A tecnologia proporcionou muitas facilidades à vida, porém seu uso excessivo resultou em uma obesidade mental sem precedentes.

Para compreender melhor o problema, basta pensar que na atualidade o conhecimento é duplicado a cada 2 anos enquanto na década de 50 esse tempo era de 10 anos. Em 1750, época da Primeira Revolução Industrial eram necessários 150 anos para que essa duplicação ocorresse.

biblioteca

Estamos prontos para tudo isso?

Eu acredito que não. Muitas vezes parece até que a tecnologia é o chefe e nós seus obedientes servos - a dependência do smartphone é um bom exemplo.

Há também a mídia e o noticiário. Como a Yuka disse em seu excelente post no blog Viver sem pressa, "assistimos também as tragédias do mundo inteiro, pois não basta mais mostrar apenas as tragédias de um único país."

Além da qualidade duvidosa de muitas informações, a maior parte do que consumimos é irrelevante para nós mesmos, mas acreditamos que é preciso estarmos sempre informados. Ou melhor, nos sentimos na obrigação de estar.

Para quê?

Apenas para termos assunto com os colegas ou familiares?

Por que acreditamos que precisamos de tanta informação?

Notícias relevantes - boas ou ruins - sempre chegam à nós e alguma forma. Pode ser na primeira página de um portal de notícias, em uma rede social, através de colegas e até na televisão. E mesmo sendo notícias relevantes em âmbito social, econômico, ambiental ou global, quais dessas notícias realmente têm algum impacto na vida pessoal de cada um de nós?


Consumo x importância

Repare por um dia ou por uma semana quantas notícias ou informações que obteve que são realmente úteis à você. Acredito que se surpreenderá ao perceber que a quantidade é bem pequena - exceto quando você está bem focado em um determinado assunto e dessa forma um site pode acabar te levando a muitos outros sobre o mesmo tema, enriquecendo a sua pesquisa e conhecimento sobre o assunto.

Por isso é muito importante estarmos bem atentos, pois uma pequena distração pode nos ajudar a naufragar no mar de assuntos irrelevantes da internet em vez da continuidade da pesquisa inicial.



E as coisas boas que ainda não conhecemos?

Vivemos em uma época na qual as pessoas querem saber muito sobre muitos assuntos. Mas será que isso vale a pena? Não seria melhor nos aprofundarmos em alguns temas em vez de saber sobre vários de forma superficial?

É até bom sabermos sobre alguns assuntos úteis à nós de forma superficial, mas que isso não seja a regra. 

Por exemplo: saber trocar um botão de roupa, costurar uma barra de calça, cozinhar ao menos o básico, trocar uma tomada, lâmpada, torneira ou chuveiro são atividades úteis e necessárias que algum dia vamos precisar fazer. Ou delegar a tarefa a alguém que saiba. Não precisamos ser profissionais para executar tais tarefas tão úteis. Ao mesmo tempo, há muitas coisas que sabemos e que nunca vamos usar. Não me refiro à instrução acadêmica, mas ao excesso de informações com as quais temos contato diariamente na internet e na mídia em geral.


Mas um dia eu posso precisar...

Assim como ocorre com os acumuladores, a maioria das informações que consumimos nunca serão utilizadas, exceto aquelas que tenham relação direta com nossos objetivos, valores e crenças.

Além disso, a maioria delas será esquecida, embora permaneça armazenada na mente - e talvez também em algum aquivo digital.

Diante dessa situação, não seria mais sábio que a procura seja somente no momento da necessidade, até porque as interpretações, soluções e produtos para muitos assuntos mudam continuamente?


frase-menos-e-mais-em-cartao-em-cima-de-uma-mesa

Conclusão

A obesidade mental está presente na vida de quase todas as pessoas que tem acesso à mídia e internet. Poucas conseguem dominar-se diante das prateleiras repletas de notícias, informações, curiosidades e soluções para tudo.

Muito do que é consumido é totalmente irrelevante de maneira pessoal, uma parte poderia ser até utilizada no futuro e uma parcela - talvez a menor - tem realmente alguma utilidade na vida particular de cada um de nós.

A grande questão é sabermos filtrar o que pode realmente fazer alguma diferença para nós, que nos auxilie em algo específico ou em nosso próprio desenvolvimento pessoal. Dessa forma, alcançaremos a boa forma mental, deixando de lado a obesidade mental com a qual estamos tão acostumados.



Crédito das imagens:
Karolina Grabowska e Pexels - Pixabay


Comentários

  1. Excelente texto, Rosana! Tudo a ver com que postei no começo da semana.

    Filtrar passou a ser uma tarefa ainda mais essencial nos dias de hoje, dada a avalanche de informação disponível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma avalanche cada vez mais intensa devido a facilidade de conexão. Por isso os hábitos de desacelerar e desconectar-se tornaram-se tão essenciais também.
      Bom saber que gostou do meu post. :)
      Boa semana!


      Excluir
  2. Bom post Rosana.
    Já pensei muito nisso.
    É preciso fazer a dieta da informação.
    Eu não assisto mais jornal na Tv e nem leio jornal escrito.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frugal,

      "Dieta da informação" - realmente precisamos muito dessa dieta nos dias atuais.
      Boa escolha em relação aos jornais. Parecem cada vez mais desnecessários, já que podemos obter as informações que queremos e precisamos na internet.

      Bom ver você por aqui! :)

      Excluir
    2. Um texto que nos remete à uma reflexão.
      Excelente!
      Beijinhos
      :)

      Excluir
    3. Bom saber que meu post foi útil à você, Piedade Araújo Sol. :)
      Um bom final de semana!

      Excluir
  3. Excelente texto. Eu tô nesse turbilhão tentando me adaptar, espero conseguir.
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom saber que gostou do meu post, cafédas5. :)
      Precisamos fazer a "dieta da informação", como o Frugal disse acima, para não sermos consumidos por tanta informação desnecessária à nós.
      Um bom final de semana!

      Excluir
  4. Olá Rosana,
    mais um texto enriquecedor!
    Te confesso, que sou seletiva. Não fico lendo tudo que aparece.
    Assisto coisas que eu decido, não porque está passando ou todo mundo está vendo.
    Leio o que me faz bem e o que for necessário.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edna,

      Bons hábitos os que você costuma praticar. :)
      Precisamos ser muito seletivos em um mundo que tenta nos distrair e nos iludir de todas as maneiras possíveis.

      Boa semana,

      Excluir

Postar um comentário


© 2019 Simplicidade e Harmonia - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total desta obra e permitida a reprodução parcial desde que citada a fonte.