Limites

Quando falamos em limites, geralmente pensamos em nossa relação com outras pessoas, mas você já parou para pensar nos seus limites em relação a si mesmo?

O que é um limite?

O que vem á sua mente quando você pensa na palavra limite?

Eu penso em um muro ou cerca que delimitam uma área na qual somente um grupo de pessoas pode entrar.

Se o muro cair ou for derrubado, entrará um grupo muito maior do que o previsto, realmente esperado e desejado. E dessa forma, a situação pode se tornar caótica e fora de controle.

É exatamente isso que pode ocorrer em nossa vida quando não sabemos dizer "não" aos pedidos de outras pessoas quando essa é a nossa vontade e quando não conseguimos aproveitar o tempo da forma como gostaríamos por aceitar fazer coisas que na realidade não são de nossa responsabilidade.

Muitas vezes dizer "não" é um ato de amor próprio e também de amor ao próximo, pois recusar-se a fazer o que é obrigação de outra pessoa, ajudará tal pessoa a agir com mais maturidade e responsabilidade.

imagem-palavra-nao

Eu x eu

Se colocar limites nas relações interpessoais não é fácil, colocar limites na sua relação consigo mesmo tampouco é, pois como criaturas de hábitos, nossa tendência é sempre seguir os padrões mentais previamente assimilados.

Apesar de dar trabalho, os resultados e benefícios podem ser muito positivos e benéficos, pois mesmo que de forma muito sutil e lenta, estamos sempre reafirmando e consolidando nossas crenças, cosmovisão e estilo de vida. 

A mesma reafirmação e consolidação também ocorrem para o lado negativo, para os hábitos e pensamentos nocivos que resultarão em uma colheita desagradável.

Embora nem sempre de forma tão consciente, cada um escolhe por qual caminho seguirá.

Os limites pessoais

Geralmente não paramos para pensar que alguns aspectos de nossa própria vida estão sob nosso controle. Na realidade, gostaríamos de ter o controle sobre outros aspectos, sobre outras pessoas e sobre a maior parte dos acontecimentos, mas como não existe essa possibilidade, muitas vezes até nos esquecemos de que podemos ter o controle de alguns aspectos relacionados à nós mesmos. Veja a seguir alguns deles:

Você pode colocar limites em seus pensamentos

Com muita frequência, o encadeamento de pensamentos ocorre de forma tão sutil e rápida, que de repente você percebe que  o bem-estar foi substituído por tristeza, raiva, angústia, etc. 

Poucas vezes é possível identificar o primeiro pensamento que deu origem ao sentimento desconfortável que foi sutilmente aumentando, porém é possível questionar-se sobre tais pensamentos e modificar o rumo dos pensamentos posteriores a partir desse momento.

Você pode colocar limites em seus sentimentos

Apesar de não ser possível controlar a maior parte dos acontecimentos, você pode controlar sua raiva, impaciência, decepção, tensão, estresse, instabilidade emocional, etc.

Não que seja fácil, mas não trabalhar ou não questionar tais sentimentos torna-os mais fortes devido ao estilo de raciocínio habitual, que sutilmente vai sendo construído e consolidado pela mente.

Você pode colocar limites em seus valores

Quando pensamos em valores, geralmente nos lembramos somente dos positivos e nos esquecemos de valores como desonestidade, injustiça, ingratidão, intemperança, etc.

Quais valores você tem desenvolvido?

Eles o auxiliam para que você se torne uma pessoa melhor a cada dia? Ou te levam a ter um caráter reprovável perante à sociedade e perante si mesmo?

Você pode colocar limites em suas vontades

Imagine que na sua frente há uma quantidade generosa do seu doce ou salgado favorito. Aquele que te dá água na boca.

Geralmente tais produtos são muito calóricos, possuem muita gordura e no caso dos doces, muito açúcar, ou seja, são péssimos para o bom funcionamento do organismo.

Racionalmente, você sabe que o produto faz mal à saúde.

Apesar de não deixar de ser uma decisão relativamente difícil, a opção de comer muito, pouco ou nada é sua. Apenas sua.

Por isso, a vontade precisa se sujeitar com mais frequência à razão do que vemos com tanta frequência na hedonista sociedade atual.

Você pode colocar limites em seus desejos de consumo

Apesar dos intensos apelos do marketing para induzi-lo ao consumo e também da certa pressão que às vezes as pessoas mais próximas fazem, você é o único responsável por escolher por qual caminho prefere seguir.

Você pode colocar limites em seu comportamento

Apesar de não ser possível controlar o que vai acontecer com você, você pode controlar sua reação perante os fatos desagradáveis.

Você costuma reagir procurando manter a calma e a serenidade?

Ou reage de maneira explosiva?

Ou vai mais longe e sente-se culpado ou responsável por fatos que não estão sob o seu controle?

Você já parou para pensar que você, e somente você é responsável por suas reações perante tudo o que te acontece?

Você pode colocar limites em suas escolhas

É muito mais fácil, cômodo e prazeroso passar uma tarde assistindo televisão ou comer produtos industrializados muito agradáveis ao paladar do que praticar exercícios físicos, ler um livro que desafie a mente ou alimentar-se de maneira mais saudável. Porém, pensando no futuro, qual das duas escolhas poderá trazer mais benefícios?

palavra-choice-com-setas-em-todas-as-direcoes

Conclusão

Somos seres de hábitos.

Somos seres que precisam de limites, pois temos uma certa tendência a optar pelo caminho mais fácil, pelo alimento mais apetitoso, por deixar a mente vagar por encadeamentos de pensamentos insalubres. 

Tendemos a cultivar o hábito da procrastinação e das justificativas intermináveis para não praticarmos exercícios físicos, para não lermos textos desafiadores, para não estarmos atentos aos nossos sentimentos.

Por tudo isso, percebemos a grande importância dos limites pessoais.

Querendo ou não, tendo consciência ou não, a plantação de hoje será a colheita de amanhã.


Créditos das imagens: Gerd Altmann - Pixabay

Limites Limites Reviewed by Simplicidade e Harmonia on setembro 01, 2020 Rating: 5

20 comentários:

  1. Todos nós temos vontades, desejos, aspirações.Mas todos nós nos relacionamos com outros. E temos que ter e saber do nosso limite que vai até onde inicia o direito do outro. Equilíbrio até pra sonhar e desejar! beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. chica,

      Olhando também pelo outro lado, de que nosso direito começa onde termina o do outro, acho que conseguimos ter uma noção melhor da importância dos limites para que os relacionamentos sejam os mais saudáveis possíveis.

      Boa semana!

      Excluir
  2. Um dos limites mais importantes a serem colocados em nossa vidas é saber dizer NÃO. Não com convicção.
    Geralmente quem não saber se impor e impor limites entre sí e os outros acaba pagando o preço por isso cedo ou tarde.
    Quem não saber dizer não e não se submeter ao que não quer, quem está sempre disponível pros outros, está sempre abrindo mão de seus planos, desejos e vontades para se submeter a situeções de certa forma impostas por terceiros fatalmente arcará com o ônus desse comportamento.

    E não adianta lamentar que o mundo é injusto, cruel, que as pessoas são falsas e aproveitadoras, quando se é permissivo e mesmo sabendo disso por medo, comodidade ou a mais pura covardia se mantém permissivo mesmo vendo os efeitos negatvos que isso traz.

    Obviamente que nem tudo na vida é como queremos e ocorrem no momento que queremos, há que se ter a sesiblidade saber a fronteira da civilidade, paciência, boa educação e convivência para reagir de forma proporcional à aproveitadores, folgados, preguiçosos, manipuladores, entre outros perfis de pessoas as quais devem ser evitadas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Seu comentário agregou muito valor ao meu post, pois você sintetizou de forma clara e objetiva o perigo de não colocarmos limites.

      Há momentos para dizermos "sim" e há momentos para dizermos "não", mas como aprendemos desde cedo o "não" como algo negativo, a tendência é a crença de que não fazer o que os outros querem é algo ruim, sendo que muitas vezes é exatamente o contrário, pois o "não" faz com que a outra pessoa procure tomar mais atitudes em vez de passar sua responsabilidade aos outros.

      Boa semana!

      Excluir
  3. Que bela postagem Rosana. Um tema bem complexo e que deveria ser uma especie de tarefa diária, mesmo um dever de casa. Limitar é não morrer para satisfazer a outrem, em nome de ser delicado, é onde sofremos mais, porque há muito do sentimento de culpa. Fazer o outro entender limite é mais difícil, pela não aceitação e assim fica no moto continuo de fazer para agradar, isto é terrível amiga e praticamos. Limitar é morrer, pois há que se fazer valer, sua pessoa, sua tranquilidade, seu querer e implica na perda daquela reação, que já não o alimenta mais, mata esta para não morrer desta. Enfim limites como aqui bem exemplificados estão á nossa frente em bandejas de variadas cores e sabores e nos perdemos em meio destas, para saber, qual a escolha.
    Aprender a dizer sim ao sim e não ao não com todas as letras soletradas.
    Mas sei como é difícil amiga.
    Feliz seja Setembro com paz e harmonia no coração.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toninho,

      E essa culpa que sentimos muitas vezes acaba nos deixando tão mal, que acabamos cedendo.

      E dessa forma, deixamos a outra pessoa mais mal-acostumada ainda. E então forma-se um círculo vicioso sem fim, pois assim como as crianças sabem manipular seus pais, muitos adultos têm uma capacidade incrível (e até perversa) de agir da mesma forma. Dentre eles, poucos têm a coragem de assumir ou confrontar esse lado, pois ninguém gosta de ser visto como folgado, preguiçoso, manipulador, etc.

      Boa semana!

      Excluir
  4. Perfeito texto, Rosana!

    Sabermos que o único responsável pelo destino que damos a nossa vida está logo ali, no espelho do banheiro, nos traz sentimentos dúbios.

    Um deles, de medo com a responsabilidade, de saber que não devemos esperar ajuda e tudo dependerá de nossas atitudes. O outro, de satisfação plena, por sabermos que temos o poder e a capacidade de sermos protagonistas nessa estrada.

    A solução é abraçar o segundo sentimento!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      Encarar a realidade de que somos os únicos responsáveis pelo destino que damos à nossa vida não é algo tão agradável inicialmente, mas é necessário para conseguirmos chegar no nível da satisfação plena que você disse.

      Se não formos os protagonistas de nossa própria vida, as situações e outras pessoas serão. Por isso, precisamos fazer a melhor escolha.

      Boa semana!

      Excluir
  5. Gosto muito destes temas que nos chama para a auto responsabilidade. Eu gosto muito da filosofia estoica pois vai muito ao encontro que postou. Se tivermos atenção ao que está sob nosso controle, teremos bem menos preocupações e angustias.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gleison,

      Penso como você. Precisamos prestar mais atenção ao que está sob nosso controle, pois muitas vezes (ou até na maior parte das vezes) nosso foco é exatamente o que não faz parte desse grupo.

      Boa semana!

      Excluir
  6. Quase sempre vamos querer o mais rápido, o mais comodo, nos tendemos a ficar na zona de conforto. Mas uma frase muito boa que vi numa palestra é que só há crescimento no desconforto, somente qnd estamos desconfortáveis é que temos atitude pra entrar em ação e crescer e é por isso q eu sempre tento sair um pouco da minha zona de conforto, mas tentar não é conseguir hahaha

    Excelente post

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escola para Investidores,

      Eu gosto muito desse pensamento, pois querendo ou não, somente quando nos sentimos mais desconfortáveis é que tendemos a tomar uma atitude.

      Não é fácil mesmo e tem até aquele ditado para validar a permanência na zona de conforto: "não se mexe em time que está ganhando". Mas se não tomarmos atitudes, o crescimento e o desenvolvimento serão grandemente prejudicados.

      Penso como você, pois o que não nos desafia não nos transforma.

      Boa semana!

      Excluir
  7. Poxa, e agora eu na missão de ensinar os limites para um "serzinho" que está admirado com o mundo novo.

    Além de lidarmos com nossos próprios limites, temos que passar isso adiante rsrs

    Abraço Rosana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Investidor Inglês,

      Ensinar limites saudáveis aos filhos desde cedo é algo muito bom, pois mais para frente, ela já saberá que nem tudo pode ocorrer do jeito que ela quer e na hora em que ela quer. Não é algo fácil, pois criança tem um jeitinho todo especial de conseguir o que quer, não é?

      Te desejo muita sabedoria nessa grande e nobre missão!

      Excluir
    2. Olha, eles conseguem o que querem viu, são danadinhos! rsrs

      Muito obrigado! espero conseguir conclui-la com exito!

      Excluir
  8. Olá Rosana
    Excelente postagem. Tem uma frase que diz: "viver é saber dizer sim, quando se quer dizer sim e não quando se quer dizer não com todo respeito." Precisamos controlar as reações perante os fatos desagradáveis. Esses aprendizados são de grande valor. Bjs querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucinalva,

      Excelente frase, eu ainda não conhecia.

      O controle das reações é tão importante para o crescimento pessoal, mas muitas vezes tão negligenciado! Quando as emoções vão na frente, com frequência acabam criando situações desagradáveis totalmente desnecessárias.

      Boa semana!

      Excluir
  9. Oi Rosana.
    Nosso cérebro é programado para economizar energia, inclusive nas decisões.
    Comer um alimento pronto (industrializado) é mais agradável para o cérebro do que preparar toda a comida do zero.
    Temos que mostrar para nosso cérebro que estamos no controle da vida. Em todos os âmbitos.
    Seu post é ótimo e desencadeou aqui diversas reflexões importantes.
    Tenho feito isso no quesito alimentação. Perdi mais de 15kg na pandemia e tenho conseguido fazer boas decisões.
    É surpreendentemente positivo quando assumimos o controle de nossas vidas.
    Um forte abraço e parabéns pela reflexão.
    Stark.
    www.acumuladorcompulsivo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stark,

      "É surpreendentemente positivo quando assumimos o controle de nossas vidas."
      Gostei da sua frase.
      Viver deixando-se levar pelas circunstâncias nunca foi uma boa opção.
      Assumir o controle exige responsabilidade, mas os resultados são surpreendentes como você disse. As biografias estão aí para nos mostrar que precisamos sim agir se queremos ser os protagonistas de nossa própria história de vida.

      Parabéns por ter perdido 15kg na pandemia!
      É como você disse: boas decisões. Elas são a chave para uma vida mais saudável.

      Boa semana!

      Excluir



Tecnologia do Blogger.